fbpx

Hiperbárica e Estomaterapia

Conheça a Terapia

É uma terapia com diversos benefícios e com muita segurança e conforto. Você fica deitado dentro de uma câmera hiperbárica de vidro transparente hermeticamente fechada, com pressão atmosférica maior que a pressão a nível do mar, inalando oxigênio 100 % puro.
A alta concentração de oxigênio favorece a vascularização, além de ter ação antiinflamatória e cicatrizante.
O tratamento é realizado em sessões com duração de 90 a 120 minutos, dependendo do tipo de lesão e da fase do tratamento. O paciente permanece deitado dentro da câmara monopaciente e respira a atmosfera de oxigênio livremente sem máscaras. Há intercomunicadores para contato direto da equipe de saúde com o paciente e vice-versa. O paciente pode se movimentar à vontade, assumindo posições que sejam as mais confortáveis. Caso prefira, pode assistir televisão ou dormir, pois o ambiente da câmara é bastante silencioso.
A Infinita conta com uma equipe multidisciplinar: Médico hIperbarista – Dr. Paulo César Bonadio Filho, Médico Cirurgião Plástico – Dr. Clóvis Brito Guedes e Médico Infectologista – Dr. Tarquino Erastides Sanchez.
A Infinita conta também com uma Central de Tratamento de Feridas que realiza atendimento aos pacientes com necessidades desde lesões simples a complexas.

Para que a hiperbárica é indicada?

– Vasculites.

– Isquemias agudas.

– Síndrome compartimental.

– Celulites.

– Pé diabético.

– úlceras de pele.

– Queimaduras térmicas e elétricas.

– Úlceras de pele.

– Estase de decúbito.

– Deiscência de sutura.

– Prevenção pós retalhos e enxertos.

– Isquemias teciduais.

– Vasculites agudas de etiologia alérgica, medicamentosa ou por toxinas biológicas (aracnídeos, ofídios e insetos).

– Gangrena gasosa.

– Celulite, faciítes e miosites.

– Isquemias agudas traumáticas: Lesão por esmagamento, síndrome compartimental, reimplantação de extremidades amputadas e outras.

– Retalhos e enxertos comprometidos.

– Osteomielite.

– Fibromialgia (off label).

– Dores crônicas (off label).

– Lesões musculares, tendíneas e ligamentares (off label).

– Dor e recuperação muscular após exercícios (off label).

– Anemia aguda, nos casos de impossibilidade de transfusão sanguínea.

– Oncologia e radioterapia.

– Radiodermite.

– Osteonecrose.

– Lesões actínicas, principalmente: cistite actínia e retite actínia, além de mucosites actínicas.

– Embolias gasosas.

– Doença descompressiva (doença do mergulhador).

– Embolias traumáticas pelo ar.

– Envenenamento por monóxido de carbono ou inalação de fumaça.

– Envenenamento por cianetos ou derivados cianídricos.

– Síndrome de Fournier.

– AVC isquêmico.

– Fibromialgia (off label).

– Enxaquecas (off label).

– Dores crônicas (off label).

– Redução de edema e áreas de isquemia após radiocirurgias e neurocirurgias convencionais.

– Espondilodiscite.

– Aracnoidite.

– Oclusão da artéria central da retina.

– Gangrena gasosa ocular e peri ocular.

– Mucormicose cerbro-retino-orbital.

– Fasciíte necrotizante periocular.

– Neuropatia óptica por radiação.

– Necrose Escleral induzida por radiação ou Mitomicin-C.

– Cirurgia periorbital reconstrutiva.

– Redução da gengivite crônica (efeito bactericida) (off label).

– Melhora significativa da cicatrização de enxertos para implantes dentários e redução do tempo de recuperação óssea (off label).

– Redução da perda de implantes dentários (off label).

– Osteonecrose de mandíbula e maxila.

Mecanismo de ação:

– Alguns estudos mostram hipoperfusão cerebral em autistas – A OHB atua no aumento da perfusão.

– Neuro inflamação, desregulação imune e/ou inflamação gastrointestinal – Efeito anti inflamatório comprovado.

– Disfunção mitocondrial – Biogênese mitocondrial.

– Estresse oxidativo aumentado – Aumento de enzimas anti oxidantes

– Resultados:

– Melhoramento do desenvolvimento de linguagem.

– Melhoramento dos comportamentos repetitivos.

– Melhoramento de deficiência nas expressões emocional e facial.

– Melhoramento do desejo de inércia.

** Observação:

Até o momento, são poucos os artigos e estudos que comprovam os benefícios descritos acima, portanto ainda não há evidências cinentíficas comprovadas dos benefícios da OHB no tratamento do espectro autista.

Mecanismo de ação:

– Estresse oxidativo / função mitocondrial.

– Efeito anti inflamatório pode levar a alterações da função da glia e retificação da atividade cerebral anormal associada a fibromialgia.

– Atua na redução da IL-1, TNF-a, PGE, diminuindo a resposta inflamatória e aumentando o limiar da dor.

– Atua na redução das caspases (cysteine-aspartic-acid-proteases ) 3, 9 – o que reduz as espécies reativas de oxigênio (estresse oxidativo) o que aumenta a quantidade de oxigênio molecular.

– Atua na redução da proteína c-Fos, o que reduz a ativação dos astrócitod, o que reduz a dor neuropática.

– Eleva os opióides endógenos.

– Eleva a IL-10, o que reduz a resposta inflamatória.

– Reduz a apoptose (morte celular programada).

– Aumenta a fosforilação dos receptores de NMDA (NR1 e NR2), ERK, cAMP, CREB, CaMKII, E GAPDH, o que reduz o estímulo da dor.

Mecanismo de ação:

– Redução da inflamação / edema (citocinas IL-1 e IL-6, TNF).

– Redução da sensibilidade mecânica e nocicepção.

– Melhora da função mitocondrial.

– Indicado para cefaléias tipo cluster e migrânea (enxaqueca).

– Dor regional complexa.

– Endometriose*

– Dismenorréia*

– Dor neuropática.

– Neuralgia idiopática do trigêmeo.

– Fibromialgia.

* Apenas estudos preliminares.

Mecanismos de ação:

– A OHB aumenta a concentração de oxigênio no sangue e tecidos.

– A OHB contribui com a neo vascularização do tecido.

– Oxigênio necessário na síntese do colágeno.

– Mudanças da circulação dentro dos tendões durante a OHB.

– Não aumenta circulação no músculo normal.

– Melhora ambiente de hipóxia imediatamente e mantém alta oxigenação no músculo comprometido bem como no tendão inflamado ou estirado.

– Reduz o volume muscular, espaço extra celular e permeabilidade vascular após uma contusão ou seja redução de edema.

– Aumento do número de miofibras recém degeneradas.

– Aumenta capacidade máxima de contração do músculo lesado.

– Indicado para atletas com lesão grau II do ligamento colateral medial do joelho.

– A OHB pode ter efeito de curto prazo na redução de dor na fase aguda.

– A OHB pode ter efeito de longo prazo na aceleração da recuperação e retorno ao esporte.

– Aumento da taxa de fibrose tecidual (cicatrização).

– Melhora significativa das propriedades biomecânicas do tendão de Aquiles.

– Efeito positivo na cicatrização histológico e biomecânica do tendão de Aquiles .

– Acelera o processo de cicatrização no tratamento cirúrgico na ruptura do tendão de Aquiles.

Mecanismo de ação:

– A OHB atenua o acúmulo de lactato sérico em exercícios de longa duração.

– A OHB elimina radicais livres.

– A OHB reduz a adesão de neutrófilos à parede dos vasos.

– Melhora a síntese do colágeno.

Mecanismos de ação:

– Aumento da disponibilidade de oxigênio nas áreas de “penumbra”.

– Limitar o dano tecidual secundário.

– Quanto mais precoce o início do tratamento, melhor resultado neurológico.

– O aumento da disponibilidade de oxigênio nas áreas de penumbra poderia estimular a células em sofrimento a funcionar normalmente.

– A OHB em até 60 minutos após o AVC promoveu grande redução do volume do infarto com melhora nos escores comportamentais.

– Os resultados encontrados com início de terapia antes de 6 horas do AVC não foram obtidos quando iniciadas após 12 horas.

– Redução do edema e do volume de necrose tecidual.

– Redução da apoptose neuronal.

– Alterações na cascata inflamatória.

– Expressão de genes de enzimas de proteção celular.

– Melhora na função da barreira hematoencefálica.

– Estimula a Angiogênese.

– Aumento da tensão de oxigênio no cérebro.

– Modula o fluxo de oxigênio cerebral e a pressão intracraniana.

– Melhores efeitos em isquemia transitória do que em isquemias permanentes.

– Provavelmente mais eficiente após o uso de trombolíticos.

Mecanismo de ação:

– Atua na síntese do colágeno:

– Redução de rugas.

– Melhora da elasticidade da pele.

– Estímula a produção de colágeno.

– Atua na cascata de envelhecimento da pele.

Mecanismos de ação:

– Mobilização de células tronco.

– Bloqueio da cascata inflamatória.

– Interfere na formação da fibrose intersticial pulmonar.

– Retarda o início de pneumonia intersticial grave.

– Aumenta a pressão de oxigênio nos alvéolos.

– Melhora a capacidade de difusão do oxigênio nos tecidos.

– Melhora da gasometria arterial.

– Melhora dos testes de função hepática.

– Melhora a contagem de células sanguíneas.

– Melhora no clearence da estrutura pulmonar.

– Intervenção mais segura e efetiva para compensar a hipóxia em síndromes respiratórios agudas.

– Menores efeitos colaterais que outras intervenções respiratórias.

– Intervenção mais segura e efetiva para compensar a hipóxia em síndromes respiratórios agudas.

– Menores efeitos colaterais que outras intervenções respiratórias.

– Melhora na sintomatologia pós covid por atuar na redução dos processos inflamatórios e aumento no limiar da dor.

– Melhora significativa das lesões residuais pulmonares pós covid.

– Melhora dos sintomas de dor e das sequelas neurológicas pós covid.

Indicações “off label”: são aquelas indicações que ainda não estão regulamentadas pelo CFM (conselho federal de medicina), portanto terapias ainda em estudo, porém já com resultados promissores.

Dúvidas? Entre em contato que iremos te ajudar!

Dr. Paulo César Bonadio Filho
Diretor Responsável Técnico
CRM-DF 13.765 | RO 3114
AP 1297 | PA 12.377
Sede Administrativa:
SCLN 316 Bloco E Sala 17
Subsolo Edifício Búzios
Asa Norte – Brasília/DF – 4007-2130

Grupo Infinita - Todos direitos reservados

|

Site desenvolvido por Mobilizze Digital